Notícias

Antony Blinken pressionará pelo cessar-fogo em Gaza em sua 8ª visita ao Oriente Médio

Benny Gantz, um importante centrista do gabinete de guerra de Netanyahu, renunciou.

Cairo:

O secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, regressava ao Médio Oriente na segunda-feira para promover um plano de cessar-fogo, mas a política israelita e o silêncio do Hamas levantaram novas questões sobre se ele conseguirá ter sucesso.

O principal diplomata dos EUA, em sua oitava visita à região desde o início da guerra, deveria iniciar a viagem no Egito e seguir na segunda-feira para Israel.

Blinken deverá manter conversações a portas fechadas primeiro no Cairo com o presidente Abdel Fattah al-Sisi, um parceiro-chave dos EUA nos esforços de paz, e mais tarde em Jerusalém com o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu.

Blinken planejou a visita para levar adiante uma proposta anunciada em 31 de maio pelo presidente Joe Biden, que intensificou os esforços para acabar com uma guerra que tem causado um impacto crescente sobre os civis e alienado partes de sua base antes das eleições de novembro.

Mas o Hamas, que iniciou a guerra com um ataque massivo a Israel em 7 de Outubro, que desencadeou uma campanha de retaliação implacável, não respondeu formalmente.

E embora Biden tenha descrito o seu plano como vindo de Israel, a demissão, no domingo, de um importante centrista, Benny Gantz, do gabinete de guerra de Netanyahu, lança uma nova carta selvagem nos esforços diplomáticos dos EUA.

Gantz, um antigo general que lidera as sondagens para substituir Netanyahu caso novas eleições sejam convocadas, protestou que o primeiro-ministro não tomou as decisões difíceis para permitir uma “vitória real”, inclusive ao pensar num plano pós-guerra para Gaza.

Gantz apresentou-se como um parceiro mais tranquilo para os Estados Unidos do que Netanyahu, um veterano de disputas políticas com o aliado vital de Israel. Biden suspendeu nas últimas semanas um envio de armas para Israel e acusou Netanyahu de prolongar a guerra para permanecer no poder, afirmação da qual voltou atrás.

Gantz desafiou Netanyahu ao visitar Washington por conta própria em março e tem se encontrado regularmente em Israel com Blinken, embora uma reunião sobre a última viagem não tenha sido anunciada imediatamente.

Dilema da passagem de fronteira

O efeito a curto prazo da saída de Gantz do gabinete de guerra poderá ser a remoção de um contrapeso aos aliados de extrema-direita de Netanyahu, que abominam qualquer compromisso e ameaçaram renunciar se Israel aceitar o plano de cessar-fogo.

Israel também mostrou no sábado que tem mais ferramentas do que diplomacia para libertar reféns – a sua principal prioridade – com uma operação que libertou quatro prisioneiros israelitas e que, segundo autoridades palestinianas, matou outras 274 pessoas.

No geral, a ofensiva militar retaliatória de Israel matou pelo menos 37.084 pessoas em Gaza, a maioria civis, de acordo com o ministério da saúde do território.

O ataque do Hamas em 7 de outubro ao sul de Israel resultou na morte de 1.194 pessoas, também a maioria civis, de acordo com uma contagem da AFP baseada em números oficiais israelenses.

De acordo com o plano apresentado por Biden, Israel retirar-se-ia dos centros populacionais de Gaza e o Hamas libertaria os reféns. O cessar-fogo duraria inicialmente seis semanas, com o cessar-fogo estendido enquanto os negociadores buscavam o fim permanente das hostilidades.

Jake Sullivan, conselheiro de segurança nacional de Biden, disse no domingo que era difícil dizer como a operação de resgate afetaria as negociações sobre um cessar-fogo.

“Se o Hamas viesse e dissesse sim ao acordo sobre a mesa, a necessidade deste tipo de operações acabaria, porque os reféns sairiam pacificamente e não através de ações militares”, disse Sullivan à ABC News.

No Egito, Blinken também deverá falar com Sisi sobre soluções para abrir a principal passagem para Gaza em Rafah.

O encerramento de um mês agravou o desastre humanitário em Gaza, fazendo disparar os preços de bens escassos e agravando os receios expressos pelas Nações Unidas de fome no território bloqueado.

Israel apoderou-se da passagem ao Hamas e culpou o Egipto pelo encerramento.

O Egito, o primeiro estado árabe a fazer a paz com Israel, reagiu e disse que os motoristas se sentem inseguros ao passar pelo que hoje é um posto de controle israelense.

Blinken estava vindo da França para a região, onde se juntou a Biden em uma visita de estado que marcou o 80º aniversário do desembarque das tropas aliadas no Dia D na Normandia ocupada pelos alemães.

Blinken também visitará mais dois parceiros árabes importantes, Jordânia e Catar, antes de retornar na quarta-feira para se juntar a Biden na cúpula do Grupo dos Sete na Itália.

(Exceto a manchete, esta história não foi editada pela equipe da NDTV e é publicada a partir de um feed distribuído.)

Source

Related Articles

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Back to top button