Notícias

Jovens tunisinos por trás de “cadeiras de rodas inteligentes” estão na fila para ganhar um grande prêmio

Seu projeto permite que cadeiras de rodas se movam por meio de touchpad, comando de voz, gestos faciais, etc.

Tunes, Tunísia:

Um sistema de cadeira de rodas inteligente construído por uma equipa de jovens engenheiras tunisinas chegou à final de um prestigiado prémio dos Inventores Europeus, estabelecendo um precedente esperançoso num país envolvido em múltiplas crises.

Seu projeto, Moovobrain, permite que usuários de cadeiras de rodas se movam por meio de touchpad, comando de voz, gestos faciais ou, o mais impressionante, um fone de ouvido que detecta seus sinais cerebrais.

Foi selecionado entre mais de 550 candidatos para a rodada final do Prêmio Jovens Inventores, lançado pelo Instituto Europeu de Patentes em 2021.

Este ano marca “a primeira vez que uma seleção tunisina e árabe chega à fase final” da competição internacional, afirmou o EPO num comunicado.

A equipa feminina competirá contra outras duas finalistas, da Holanda e da Ucrânia, pelo prémio principal no dia 9 de julho, em Malta.

A inspiração para o aplicativo Moovobrain veio primeiro do cofundador Souleima Ben Temime, 28 anos, cujo tio foi “forçado a usar uma cadeira de rodas para se mover” depois que a parte superior do corpo ficou paralisada.

“Havia uma necessidade clara e urgente diante de mim”, disse ela à AFP.

“Conversei sobre isso com meus amigos e decidimos usar as tecnologias digitais de saúde… para fazer um produto que pudesse beneficiar muitas pessoas.”

Sucesso contra todas as probabilidades

Os quatro inventores conheceram-se no Instituto Superior de Ciências Médicas de Túnis, onde começaram a desenvolver o protótipo Moovobrain em 2017, antes de criarem a start-up de tecnologia da saúde Gewinner dois anos depois.

O sucesso internacional da equipa surge apesar da crescente turbulência económica e política na Tunísia nos últimos anos, que levou milhares de tunisinos a procurar uma vida melhor na Europa através de perigosas viagens ao estrangeiro.

O Presidente Kais Saied, eleito em Outubro de 2019, lançou uma ampla tomada de poder desde que demitiu o Parlamento em Julho de 2021.

A crise política foi agravada por um grave colapso económico – mas isso não diminuiu o ânimo das jovens mulheres.

Em vez disso, o cofundador Khaoula Ben Ahmed, 28 anos, espera que chegar à final da competição Jovens Inventores traga “visibilidade e credibilidade” à equipe.

“Nem sempre é fácil convencer investidores ou fabricantes de cadeiras de rodas de que a nossa solução é verdadeiramente inovadora e útil para pessoas com mobilidade reduzida”, disse ela.

Para eles, mesmo “pedir para ficarem voltados para a televisão”, quando “não conseguem falar, já não têm autonomia, pode tornar-se muito penoso a nível psicológico”, acrescentou Ben Ahmed.

Ao lado de Ben Ahmed e Ben Temime, os outros membros da equipe são Sirine Ayari, 28, e Ghofrane Ayari, 27, que não são parentes.

‘Ecossistema favorável’

O Prémio Jovens Inventores – que premeia “inventores excepcionais com menos de 30 anos” – atribui um primeiro prémio de 20.000 euros (21.600 dólares), um segundo de 10.000 euros e um terceiro de 5.000 euros.

A equipa afirma que ser mulher foi “uma vantagem” porque puderam participar em concursos para engenheiras e receber financiamento especializado.

Mais de 44 por cento dos engenheiros na Tunísia são mulheres, segundo as Nações Unidas, e Ben Ahmed afirma que o país tem “um ecossistema favorável” para start-ups, apesar dos seus desafios.

A sua start-up Gewinner entregará muito em breve as primeiras quatro cadeiras de rodas equipadas com a nova tecnologia a uma organização para pessoas com deficiência em Sousse, no leste da Tunísia. Eles esperam feedback para melhorar o produto.

Internacionalmente, a Gewinner está focada na Europa e já estabeleceu uma parceria com um fabricante italiano no curto prazo.

Os inventores afirmam que, embora cada cadeira inteligente custe cerca de 2.000 euros, esperam garantir que a tecnologia seja acessível ao maior número possível de pessoas, incluindo aquelas em países menos abastados.

“Na Tunísia, preparámos 30 unidades, não com a ideia de que será o utilizador final quem pagará, mas sim organizações que apoiam associações que poderão patrocinar a compra de cadeiras ou a adaptação da nossa tecnologia”, disse Ben Ahmed.

(Exceto a manchete, esta história não foi editada pela equipe da NDTV e é publicada a partir de um feed distribuído.)

Source

Related Articles

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Back to top button