Notícias

Protestos armênios exigem chefe do primeiro-ministro sobre concessões ao Azerbaijão

Protestos em massa contra concessões territoriais ao Azerbaijão abalaram Yerevan.

Grandes protestos pedindo a renúncia do primeiro-ministro armênio Nikol Pashinyan se estenderam pelo segundo dia após uma manifestação no fim de semana.

Após uma manifestação com milhares de pessoas no domingo e uma vigília noturna sob chuva torrencial, centenas de manifestantes se reuniram em frente ao parlamento armênio em Yerevan na segunda-feira.

As manifestações foram convocadas para protestar contra a decisão do mês passado de entregar quatro aldeias fronteiriças desertas a Baku para resolver disputas territoriais de décadas entre os vizinhos caucasianos. O território, tomado pela Arménia na década de 1990, foi devolvido na semana passada.

Os protestos contra Pashinyan, que também levou a Arménia a arrefecer as relações com a Rússia, são liderados por Bagrat Galstanyan, um arcebispo que apelou no fim de semana a um “novo diálogo” com Moscovo.

Ruas e praças

A Arménia e o Azerbaijão travaram duas guerras pela região de Nagorno-Karabakh, que o Azerbaijão recapturou no ano passado aos separatistas arménios que controlaram o enclave durante três décadas.

Os oponentes consideraram a devolução do território uma traição. Pashinyan disse que era um passo necessário para evitar mais guerra.

No domingo, Galstanyan, que disse esperar substituir o primeiro-ministro, anunciou o início de quatro dias de comícios para tirá-lo do cargo.

“Durante quatro dias permaneceremos nas ruas e praças e, com a nossa determinação e vontade, alcançaremos a vitória”, disse Galstanyan, que apelou ao parlamento para realizar uma votação de impeachment na terça-feira.

O primeiro-ministro armênio Nikol Pashinyan em Almaty, Cazaquistão, 2 de fevereiro de 2024 [Dmitry Astakhov/Sputnik via Reuters]

Milhares de pessoas reuniram-se no domingo em frente à sede do governo antes de marcharem até ao parlamento.

Se a votação do impeachment for realizada com sucesso, será necessário instalar um governo interino e realizar eleições parlamentares antecipadas.

No entanto, parece pouco provável que o esforço tenha sucesso, uma vez que os legisladores da oposição não têm assentos suficientes para o levar a cabo.

Ainda assim, Galstanyan renunciou temporariamente aos seus deveres religiosos para concorrer ao cargo de primeiro-ministro. No entanto, ele não é elegível para ocupar cargos de acordo com a lei armênia porque possui passaporte canadense.

Richard Giragosian, diretor do Centro de Estudos Regionais em Yerevan, disse à agência de notícias Reuters que a decisão de Galstanyan foi motivada pelo desespero à medida que o número de protestos diminuía.

Giragosian disse que a campanha do arcebispo foi afectada pela falta de experiência política e pela ausência de uma estratégia clara.

Os protestos, até o momento, “não representam nenhum desafio real para o governo. O único perigo de escalada é uma possível reação exagerada por parte das forças de segurança”, acrescentou Giragosian.

As relações da Arménia com a Rússia esfriaram, uma vez que Yerevan sente que Moscovo não conseguiu apoiá-la no seu confronto com o Azerbaijão.

As relações sofreram outro abalo na segunda-feira, quando a Rússia atacou a resposta do governo de Pashinyan à invasão da Ucrânia.

Depois que autoridades armênias visitaram a cidade ucraniana de Bucha, a Rússia enviou uma nota de protesto a Yerevan.

A visita a Bucha foi um “passo francamente hostil”, escreveu a porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da Rússia, Maria Zakharova, no Telegram na noite de domingo.

Source link

Related Articles

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Back to top button